Veleiro

Veleiro... Mar e destino, mistério e saudade... Esta canção conta parte de uma época de ouro... Difícil explicar os sentimentos... Passado, presente, pessoas, caminhos... Tudo se mescla!  Mas eles estão aí, presentes em minha vida, e, assim como o vento e o deslizar suave do veleiro pelo mar, vão me impulsionando para o futuro, para o meu destino!
 


Veleiro (de Edu Lobo e Torquato Neto) foi uma canção que conheci através de Elis Regina, e que tive a honra de gravar com ela. Sempre tive uma predileção especial por essa música! Além de ser linda, também pude realizar meu sonho de gravar tocando com uma orquestra. E que orquestra! Arranjo e regência do maestro Francisco de Moraes e a nata dos músicos de São Paulo. A melodia, o significado das palavras, o ritmo, o arranjo musical e a força da orquestra, a magia da interpretação de Elis, tudo mexe comigo, me fascina! Fragmentos de lembranças, trazidos por este veleiro que retorna... O ambiente do estúdio de gravação, os ensaios, momentos de tensão e descontração, lágrimas, sorrisos de aprovação junto à mesa de mixagem, olhares de cumplicidade... Tudo se soma!
 
Por muito tempo, depois que abandonei a vida artística, Veleiro ficou adormecida na minha memória. Mais recentemente, quando decidi escrever "Boulevard des Capucines", Veleiro e Elis voltaram a minha vida com uma força impressionante, e esta canção ganhou um sentido muito especial.
 
Veleiro, hoje para mim, parece ser um pedido para que eu realize a parte que falta da minha missão de vida, que interrompi faz muito tempo, quando parei de tocar e abandonei a vida artística... Segui outros caminhos, porém Elis Regina e o Bossa Jazz Trio nunca saíram da minha vida. Nossas realizações ainda me inspiram e me impulsionam a realizar o que falta... Agora, como diz a letra de Veleiro, esta na hora, no tempo, e tem que ser agora (depressa), porque deixei o tempo passar e há muito que fazer... 
  
O projeto “Boulevard des Capucines”, e tudo o que dele resultar em contribuição a cultura, ações de caridade, e ajuda as pessoas, é a essência da parte que falta realizar na minha missão de vida, inspirado por esta luz que vem do passado, que, de certa forma, me dá “o braço forte e o rumo certo”. Veja só, a letra da música, e procure ler com os olhos do coração:
 
Ê, ô, tá na hora e no tempo/ Vamos lá que esse vento traz/ Vontade (Recado) de partir 
Beira de praia/ Não faz mal que se deixe/ Se o caminho da gente vai pro mar


Eu vou, tanta praia deixando/ Sem saber até quando eu vou/ Quando eu vou, quando eu vou voltar 

Ê, ô, vou pra terra distante/ Não tem mar que me espante/ Não tem, não


Anda, vem comigo que é tempo/ Vem depressa que eu tenho/ Braço forte e o rumo certo

Ah! Que o dia está perto/ E é preciso ir embora/ Ah, vem comigo nesse veleiro/ Tá na hora e no tempo, ê, ô


Vamos embora no vento, ê, ô



Esta canção pode ser encontrada no disco “Elis 66”, produzido por Luiz Mocarzel, e relançado em CD em 2004 pela Universal Music – Philips.